CONTRIBUIÇÃO

As crianças da AMEM precisam ser ajudadas a se reintegrar na sociedade e no convívio com a sua família. E, para a sorte delas, há empresas que já estão ao seulado. Começa na hora de colocar a comida na mesa. Hoje, De Nadai e MC Boi contribuem com boa parte das necessidades da garotada na hora de ter comida no prato.

Graças à Amil, há médico e consultório médico para atender os nossos meninos. Cabe à Nidonto zelar pelo sorriso bonito da nossa turma. A Nextel nos forneceu computadores, imprescindíveis para o bê-á-bá da turma em informática. Importantes instituições de ensino, como a Faap, o Mackenzie e o Instituto Qualidade de Vida, ajudam-nos com recursos materiais e treinamento. Nossa horta foi feita com a ajuda da Suvinil.

O playground foi instalado com o auxílio da Unilever. A lona do nosso circo, cedida pela Rede Globo. Com a colaboração da Bolsa Mercantil e de Futuros, em semanas a Vila Olímpica Mário Covas, bem ao lado da AMEM, terá uma pista de atletismo com revestimento de primeira. Confira a seguir algumas das iniciativas para ajudar a nossa associação a levar a sua missão adiante. E há sempre espaço para novos parceiros que queiram nos ajudar a encaminhar nossas crianças para um futuro melhor.



COMO CONTRIBUIR

Nem todo mundo sabe, mas é possível ajudar a AMEM com doações que podem ser descontadas do imposto de renda devido até o limite de 1% para as empresas e 6% para as pessoas físicas. A regra foi instituída pelo Estatuto da Criança e do Adolescente e ajuda a nossa associação a trabalhar cada vez melhor pelas crianças com recursos do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de São Paulo, o Fumcad. Além de custear parte das despesas da associação, esses parceiros poderão ajudar a fazer progredir três programas educativos que transformarão três projetos desenvolvidos com as crianças, o Pão Nosso, a Biblioteca Interativa e a Horta Orgânica. Para explicar os objetivos de cada um deles e também como ajudar a custear as despesas de nossas crianças e jovens pelo programa Parceiros de Ouro, entrevistamos a coordenadora Neusa Marques Oliveira.

Empresas e pessoas físicas podem colaborar com a AMEM ?
Toda a ajuda é muito bem-vinda. Muitas empresas nos auxiliam a conquistar benefícios, como o playground, construído pela Unilever, ou a suprir necessidades básicas, como colocar comida na mesa da criançada e montar cestas básicas para os seus familiares, caso de De Nadai e MC Boi. Temos apoio de pessoas físicas e jurídicas que colaboram conosco com o Parceiros de Ouro, financiando as despesas das crianças e um bom pedaço da estrutura mantida pela AMEM. Hoje, 50 das crianças que abrigamos são mantidas graças a empresas ou patronos que contribuem com 490 reais mensais. Os interessados em entrar nesta corrente do bem podem obter as informações no nosso site, o www.amemcrianca.org.br. E temos metas para implantar programas como a Biblioteca do Futuro, o Pão Nosso e a Horta Orgânica.

Que tipo de biblioteca a AMEM tem e qual gostaria de ter no futuro?
Uma biblioteca multimídia. Hoje o que existe na associação é um pequeno acervo de livros e revistas infantis. Servem para momentos de estudo e distração das crianças. O ideal seria que pudéssemos reformar um de nossos prédios e instalar computadores e recursos de imagem e som, como acontece em algumas bibliotecas na Europa e nos Estados Unidos. Uma boa biblioteca para suprir as necessidades atuais deve ser interativa, usar muitos recursos que vão além do papel e da tinta. São filmes, gravações, acervo digital. É claro que essa estrutura também poderia servir para meninos e meninas da comunidade que vivem no nosso entorno.

E para o Pão Nosso e a Hora Orgânica, quais são as metas?
Nossa intenção seria termos um padeiro e um auxiliar todos os dias por aqui para aproveitar o forno que já temos instalado. Hoje já temos cursos para os nossos jovens fazer pães, salgadinhos e doces e queremos estender essas aulas para as pessoas da comunidade. E essa atividade tem potencial para crescer ainda mais. Bastaria termos mais investimentos nessa estrutura e poderíamos dar uma qualificação a mais às crianças da AMEM e também da vizinhança. Essa padaria poderia produzir pão e ensinar noções de fluxo de caixa, investimento e conquista de clientes para eventos. Seria uma forma de sair da receita da massa para a receita em dinheiro. É o mesmo que faremos com a horta, em uma parceria com o pessoal do Rodoanel. Atualmente, compramos as nossas mudas da horta fora. Em poucos meses, a nossa intenção será desenvolvermos as sementes nós mesmos. Além disso, nossas crianças ajudariam na produção de sementes para árvores frutíferas. Com a ajuda de gente que entenda de cada uma dessas áreas, nós próprios nos profissionalizaríamos.

Como os interessados podem ajudar?
Esses três projetos exigem investimentos. Uma biblioteca interativa com todos os recursos está estimada em 600 mil reais. A Horta Orgânica e o Pão Nosso exigem cerca de 200 mil reais. Só com a ajuda de doadores, poderemos fazer cada um deles acontecer.